sábado, 3 de outubro de 2009

As cinco bolas

Imagine a vida como um jogo, no qual você faz malabarismo com cinco bolas que são lançadas no ar...

Essas bolas são: o trabalho, a família, a saúde, os amigos e o espírito.

O trabalho é a única bola de borracha. Se cair, bate no chão e *** para cima.
Mas as quatro outras são de vidro. Se caírem no chão, quebrarão e ficarão permanentemente danificadas. Entendam isso e assim conseguirão o equilíbrio na vida. Como?Não diminua seu próprio valor, comparando-se com outras pessoas.Somos todos diferentes: cada um de nós é um ser especial. Não fixe seus objetivos com base no que os outros acham importante. Só você tem condições de escolher o que é melhor para si próprio. Dê valor e respeite as coisas mais queridas de seu coração. Apegue-se a elas como à própria vida. Sem elas a vida carece de sentido.Não deixe que a vida escorra entre os dedos por viver no passado ou no futuro. Se viver um dia de cada vez, viverá todos os dias de sua vida. Não desista enquanto ainda é capaz de um esforço a mais. Nada termina até o momento em que se deixa de tentar. Não tema admitir que não é perfeito.Não tema enfrentar riscos. É correndo riscos que aprendemos a ser valentes. Não exclua o amor de sua vida, dizendo que não se pode encontrá-lo. A melhor forma de receber amor é dá-lo. A forma mais rápida de ficar sem amor é apegar-se demasiado a si próprio. A melhor forma de manter o amor é dar-lhe asas. Não corra tanto pela vida a ponto de esquecer onde esteve e para onde vai. Não tenha medo de aprender. O conhecimento é leve. É um tesouro que se carrega facilmente. Não use imprudentemente o tempo ou as palavras. Não se pode recuperar uma palavra dita. A vida não é uma corrida, mas sim uma viagem, que deve ser desfrutada a cada passo.

Lembre-se: ontem é história. Amanhã é mistério e HOJE é uma dádiva. Por isso se chama "presente".

Autor desconhecido.

ALGO QUE AS ESCOLAS NÃO ENSINAM

Aqui estão alguns conselhos que Bill Gates recentemente ditou numa conferência em uma escola secundária sobre 11 regras que os estudantes não aprenderiam na escola.

Ele fala sobre como a "política educacional de vida fácil para as crianças" têm criado uma geração sem conceito da realidade, e como esta política tem levado as pessoas a falharem em suas vidas posteriores à escola. Muito conciso, todos esperavam que ele fosse fazer um discurso de uma hora ou mais... Bill Gates falou por menos de 5 minutos, foi aplaudido por mais de 10 minutos sem parar, agradeceu e foi embora em seu helicóptero...

Regra 1
A vida não é fácil, acostume-se com isso.

Regra 2
O mundo não está preocupado com a sua auto-estima. O mundo espera que você faça alguma coisa útil por ele ANTES de sentir-se bem com você mesmo.

Regra 3
Você não ganhará 20.000€ por mês assim que sair da escola. Você não será vice-presidente de uma empresa com carro e telefone à disposição antes que você tenha conseguido comprar seu próprio carro e telefone.

Regra 4
Se você acha seu professor rude, espere até ter um Chefe. Ele não terá pena de você.

Regra 5
Vender jornal velho ou trabalhar durante as férias não está abaixo da sua posição social. Seus avós têm uma palavra diferente para isso: eles chamam-lhe de oportunidade.

Regra 6
Se você fracassar, não é culpa de seus pais. Então não lamente seus erros, aprenda com eles.

Regra 7
Antes de você nascer, seus pais não eram tão críticos como agora. Eles só ficaram assim por pagar as suas contas, lavar suas roupas e ouvir você dizer que eles são "ridículos". Então antes de salvar o planeta para a próxima geração, querendo consertar os erros da geração dos seus pais, tente limpar seu próprio quarto.

Regra 8
Sua escola pode ter eliminado a distinção entre vencedores e perdedores, mas a vida não é assim. Em algumas escolas você não repete mais de ano e tem tantas oportunidades quantas precisar até acertar. Isto não se parece com absolutamente NADA na vida real. Se pisar na bola, está despedido... RUA !!! Faça certo logo à primeira vez!

Regra 9
A vida não é dividida em semestres.Você não terá sempre os verões livres e é pouco provável que outros empregados o ajudem a cumprir suas tarefas no fim de cada período.

Regra 10
Televisão NÃO é vida real. Na vida real, as pessoas têm de deixar o barzinho ou a boite e ir trabalhar.

Regra 11
Seja legal com os C.D.Fs - aqueles estudantes que os outros pensam que são uns tótós. Existe uma grande probabilidade de você vir a trabalhar PARA um deles.

Bill Gates, dono da maior fortuna pessoal do mundo e da Microsoft, a única empresa que enfrentou e venceu a Big Blues, IBM, que construiu o primeiro computador, cérebro eletrônico mundial, desde a sua fundação em meados de 1900.
O que disse o Presidente Obama
aos estudantes da América

O Presidente Barak Obama fez um discurso anual de início de mais um ano escolar. Vale a pena ler com muita atenção. Não é um discurso de facilitismos. É um discurso em que se explica aos alunos, de todos os graus de ensino, que eles têm uma obrigação para com o seu País e para consigo próprios. Vale a pena ler com muita atenção e relê-lo aos vossos filhos e netos já que, nem o Presidente da República, nem o Primeiro-Ministro, o fazem em Portugal. Aliás, se o fizessem, os ogres da baixa política e os mass-media de pacotilha que pululam este País diriam que estavam em campanha eleitoral, denegrindo tudo o que eles dissessem.
Neste particular o que é verdade para os USA também é para Portugal.


"Sei que para muitos de vocês hoje é o primeiro dia de aulas, e para os que entraram para o jardim infantil, para a escola primária ou secundária, é o primeiro dia numa nova escola, por isso é compreensível que estejam um pouco nervosos. Também deve haver alguns alunos mais velhos, contentes por saberem que já só lhes falta um ano. Mas, estejam em que ano estiverem, muitos devem ter pena por as férias de Verão terem acabado e já não poderem ficar até mais tarde na cama.

Também conheço essa sensação. Quando era miúdo, a minha família viveu alguns anos na Indonésia e a minha mãe não tinha dinheiro para me mandar para a escola onde andavam os outros miúdos americanos. Foi por isso que ela decidiu dar-me ela própria umas lições extras, segunda a sexta-feira, às 4h30 da manhã.

A ideia de me levantar àquela hora não me agradava por aí além. Adormeci muitas vezes sentado à mesa da cozinha. Mas quando eu me queixava a minha mãe respondia-me: "Olha que isto para mim também não é pêra doce, meu malandro..."

Tenho consciência de que alguns de vocês ainda estão a adaptar-se ao regresso às aulas, mas hoje estou aqui porque tenho um assunto importante a discutir convosco. Quero falar convosco da vossa educação e daquilo que se espera de vocês neste novo ano escolar.

Já fiz muitos discursos sobre educação, e falei muito de responsabilidade. Falei da responsabilidade dos vossos professores de vos motivarem, de vos fazerem ter vontade de aprender. Falei da responsabilidade dos vossos pais de vos manterem no bom caminho, de se assegurarem de que vocês fazem os trabalhos de casa e não passam o dia à frente da televisão ou a jogar com a Xbox. Falei da responsabilidade do vosso governo de estabelecer padrões elevados, de apoiar os professores e os directores das escolas e de melhorar as que não estão a funcionar bem e onde os alunos não têm as oportunidades que merecem.

No entanto, a verdade é que nem os professores e os pais mais dedicados, nem as melhores escolas do mundo são capazes do que quer que seja se vocês não assumirem as vossas responsabilidades. Se vocês não forem às aulas, não prestarem atenção a esses professores, aos vossos avós e aos outros adultos e não trabalharem duramente, como terão de fazer se quiserem ser bem sucedidos.

E hoje é nesse assunto que quero concentrar-me: na responsabilidade de cada um de vocês pela sua própria educação.

Todos vocês são bons em alguma coisa. Não há nenhum que não tenha alguma coisa a dar. E é a vocês que cabe descobrir do que se trata. É essa oportunidade que a educação vos proporciona.

Talvez tenham a capacidade de ser bons escritores - suficientemente bons para escreverem livros ou artigos para jornais -, mas se não fizerem o trabalho de Inglês podem nunca vir a sabê-lo. Talvez sejam pessoas inovadoras ou inventores - quem sabe capazes de criar o próximo iPhone ou um novo medicamento ou vacina -, mas se não fizerem o projecto de Ciências podem não vir a percebê-lo. Talvez possam vir a ser mayors ou senadores, ou juízes do Supremo Tribunal, mas se não participarem nos debates dos clubes da vossa escola podem nunca vir a sabê-lo.

No entanto, escolham o que escolherem fazer com a vossa vida, garanto-vos que não será possível a não ser que estudem. Querem ser médicos, professores ou polícias? Querem ser enfermeiros, arquitectos, advogados ou militares? Para qualquer dessas carreiras é preciso ter estudos. Não podem deixar a escola e esperar arranjar um bom emprego. Têm de trabalhar, estudar, aprender para isso.

E não é só para as vossas vidas e para o vosso futuro que isto é importante. O que vocês fizerem com os vossos estudos vai decidir nada mais nada menos que o futuro do nosso país. Aquilo que aprenderem na escola agora vai decidir se enquanto país estaremos à altura dos desafios do futuro.

Vão precisar dos conhecimentos e das competências que se aprendem e desenvolvem nas ciências e na matemática para curar doenças como o cancro e a sida e para desenvolver novas tecnologias energéticas que protejam o ambiente. Vão precisar da penetração e do sentido crítico que se desenvolvem na história e nas ciências sociais para que deixe de haver pobres e sem-abrigo, para combater o crime e a discriminação e para tornar o nosso país mais justo e mais livre. Vão precisar da criatividade e do engenho que se desenvolvem em todas as disciplinas para criar novas empresas que criem novos empregos e desenvolvam a economia.

Precisamos que todos vocês desenvolvam os vossos talentos, competências e intelectos para ajudarem a resolver os nossos problemas mais difíceis. Se não o fizerem - se abandonarem a escola -, não é só a vocês mesmos que estão a abandonar, é ao vosso país.

Eu sei que não é fácil ter bons resultados na escola. Tenho consciência de que muitos têm dificuldades na vossa vida que dificultam a tarefa de se concentrarem nos estudos. Percebo isso, e sei do que estou a falar. O meu pai deixou a nossa família quando eu tinha dois anos e eu fui criado só pela minha mãe, que teve muitas vezes dificuldade em pagar as contas e nem sempre nos conseguia dar as coisas que os outros miúdos tinham. Tive muitas vezes pena de não ter um pai na minha vida. Senti-me sozinho e tive a impressão que não me adaptava, e por isso nem sempre conseguia concentrar-me nos estudos como devia. E a minha vida podia muito bem ter dado para o torto.

Mas tive sorte. Tive muitas segundas oportunidades e consegui ir para a faculdade, estudar Direito e realizar os meus sonhos. A minha mulher, a nossa primeira-dama, Michelle Obama, tem uma história parecida com a minha. Nem o pai nem a mãe dela estudaram e não eram ricos. No entanto, trabalharam muito, e ela própria trabalhou muito para poder frequentar as melhores escolas do nosso país.

Alguns de vocês podem não ter tido estas oportunidades. Talvez não haja nas vossas vidas adultos capazes de vos dar o apoio de que precisam. Quem sabe se não há alguém desempregado e o dinheiro não chega. Pode ser que vivam num bairro pouco seguro ou os vossos amigos queiram levar-vos a fazer coisas que vocês sabem que não estão bem.

Apesar de tudo isso, as circunstâncias da vossa vida - o vosso aspecto, o sítio onde nasceram, o dinheiro que têm, os problemas da vossa família - não são desculpa para não fazerem os vossos trabalhos nem para se portarem mal. Não são desculpa para responderem mal aos vossos professores, para faltarem às aulas ou para desistirem de estudar. Não são desculpa para não estudarem.

A vossa vida actual não vai determinar forçosamente aquilo que vão ser no futuro. Ninguém escreve o vosso destino por vocês. Aqui, nos Estados Unidos, somos nós que decidimos o nosso destino. Somos nós que fazemos o nosso futuro.

E é isso que os jovens como vocês fazem todos os dias em todo o país. Jovens como Jazmin Perez, de Roma, no Texas. Quando a Jazmin foi para a escola não falava inglês. Na terra dela não havia praticamente ninguém que tivesse andado na faculdade, e o mesmo acontecia com os pais dela. No entanto, ela estudou muito, teve boas notas, ganhou uma bolsa de estudos para a Universidade de Brown, e actualmente está a estudar Saúde Pública.

Estou a pensar ainda em Andoni Schultz, de Los Altos, na Califórnia, que aos três anos descobriu que tinha um tumor cerebral. Teve de fazer imensos tratamentos e operações, uma delas que lhe afectou a memória, e por isso teve de estudar muito mais - centenas de horas a mais - que os outros. No entanto, nunca perdeu nenhum ano e agora entrou na faculdade.

E também há o caso da Shantell Steve, da minha cidade, Chicago, no Illinois. Embora tenha saltado de família adoptiva para família adoptiva nos bairros mais degradados, conseguiu arranjar emprego num centro de saúde, organizou um programa para afastar os jovens dos gangues e está prestes a acabar a escola secundária com notas excelentes e a entrar para a faculdade.

A Jazmin, o Andoni e a Shantell não são diferentes de vocês. Enfrentaram dificuldades como as vossas. Mas não desistiram. Decidiram assumir a responsabilidade pelos seus estudos e esforçaram-se por alcançar objectivos. E eu espero que vocês façam o mesmo.

É por isso que hoje me dirijo a cada um de vocês para que estabeleça os seus próprios objectivos para os seus estudos, e para que faça tudo o que for preciso para os alcançar. O vosso objectivo pode ser apenas fazer os trabalhos de casa, prestar atenção às aulas ou ler todos os dias algumas páginas de um livro. Também podem decidir participar numa actividade extracurricular, ou fazer trabalho voluntário na vossa comunidade. Talvez decidam defender miúdos que são vítimas de discriminação, por serem quem são ou pelo seu aspecto, por acreditarem, como eu acredito, que todas as crianças merecem um ambiente seguro em que possam estudar. Ou pode ser que decidam cuidar de vocês mesmos para aprenderem melhor. E é nesse sentido que espero que lavem muitas vezes as mãos e que não vão às aulas se estiverem doentes, para evitarmos que haja muitas pessoas a apanhar gripe neste Outono e neste Inverno.

Mas decidam o que decidirem gostava que se empenhassem. Que trabalhassem duramente. Eu sei que muitas vezes a televisão dá a impressão que podemos ser ricos e bem-sucedidos sem termos de trabalhar - que o vosso caminho para o sucesso passa pelo rap, pelo basquetebol ou por serem estrelas de reality shows -, mas a verdade é que isso é muito pouco provável. A verdade é que o sucesso é muito difícil. Não vão gostar de todas as disciplinas nem de todos os professores. Nem todos os trabalhos vão ser úteis para a vossa vida a curto prazo. E não vão forçosamente alcançar os vossos objectivos à primeira.

No entanto, isso pouco importa. Algumas das pessoas mais bem-sucedidas do mundo são as que sofreram mais fracassos. O primeiro livro do Harry Potter, de J. K. Rowling, foi rejeitado duas vezes antes de ser publicado. Michael Jordan foi expulso da equipa de basquetebol do liceu, perdeu centenas de jogos e falhou milhares de lançamentos ao longo da sua carreira. No entanto, uma vez disse: "Falhei muitas e muitas vezes na minha vida. E foi por isso que fui bem-sucedido."

Estas pessoas alcançaram os seus objectivos porque perceberam que não podemos deixar que os nossos fracassos nos definam - temos de permitir que eles nos ensinem as suas lições. Temos de deixar que nos mostrem o que devemos fazer de maneira diferente quando voltamos a tentar. Não é por nos metermos num sarilho que somos desordeiros. Isso só quer dizer que temos de fazer um esforço maior por nos comportarmos bem. Não é por termos uma má nota que somos estúpidos. Essa nota só quer dizer que temos de estudar mais.

Ninguém nasce bom em nada. Tornamo-nos bons graças ao nosso trabalho. Não entramos para a primeira equipa da universidade a primeira vez que praticamos um desporto. Não acertamos em todas as notas a primeira vez que cantamos uma canção. Temos de praticar. O mesmo acontece com o trabalho da escola. É possível que tenham de fazer um problema de Matemática várias vezes até acertarem, ou de ler muitas vezes um texto até o perceberem, ou de fazer um esquema várias vezes antes de poderem entregá-lo.

Não tenham medo de fazer perguntas. Não tenham medo de pedir ajuda quando precisarem. Eu todos os dias o faço. Pedir ajuda não é um sinal de fraqueza, é um sinal de força. Mostra que temos coragem de admitir que não sabemos e de aprender coisas novas. Procurem um adulto em quem confiem - um pai, um avô ou um professor ou treinador - e peçam-lhe que vos ajude.

E mesmo quando estiverem em dificuldades, mesmo quando se sentirem desencorajados e vos parecer que as outras pessoas vos abandonaram - nunca desistam de vocês mesmos. Quando desistirem de vocês mesmos é do vosso país que estão a desistir.

A história da América não é a história dos que desistiram quando as coisas se tornaram difíceis. É a das pessoas que continuaram, que insistiram, que se esforçaram mais, que amavam demasiado o seu país para não darem o seu melhor.

É a história dos estudantes que há 250 anos estavam onde vocês estão agora e fizeram uma revolução e fundaram este país. É a dos estudantes que estavam onde vocês estão há 75 anos e ultrapassaram uma depressão e ganharam uma guerra mundial, lutaram pelos direitos civis e puseram um homem na Lua. É a dos estudantes que estavam onde vocês estão há 20 anos e fundaram a Google, o Twitter e o Facebook e mudaram a maneira como comunicamos uns com os outros.

Por isso hoje quero perguntar-vos qual é o contributo que pretendem fazer. Quais são os problemas que tencionam resolver? Que descobertas pretendem fazer? Quando daqui a 20 ou a 50 ou a 100 anos um presidente vier aqui falar, que vai dizer que vocês fizeram pelo vosso país?

As vossas famílias, os vossos professores e eu estamos a fazer tudo o que podemos para assegurar que vocês têm a educação de que precisam para responder a estas perguntas. Estou a trabalhar duramente para equipar as vossas salas de aulas e pagar os vossos livros, o vosso equipamento e os computadores de que vocês precisam para estudar. E por isso espero que trabalhem a sério este ano, que se esforcem o mais possível em tudo o que fizerem. Espero grandes coisas de todos vocês. Não nos desapontem. Não desapontem as vossas famílias e o vosso país. Façam-nos sentir orgulho em vocês. Tenho a certeza que são capazes".

segunda-feira, 23 de março de 2009

Profissões que conseguem escapar à crise

Há profissões que, no meio da crise, vão conseguindo não sofrer com desemprego ou falta de clientes. Costureiras, sapateiros ou técnicos de reparação de electrodomésticos, ouvidos pelo DN, não se queixam. Outros sectores tradicionais são nichos para quem tem imaginação. A criatividade pode fazer a diferença: se não há roupa nova, recicla-se.

"Há uns anos as pessoas compravam sapatos caros e depois faziam a manutenção no sapateiro. Agora compram sapatos mais baratos, que não têm manutenção, mas que se rasgam ou descolam e as pessoas querem que lhes dê um jeito para aguentarem mais um tempo". Casimiro Santos, sapateiro no centro de Lisboa, diz não sentir a crise. Não lhe falta trabalho, mas sublinha que só ganha "quando as pessoas têm dinheiro e compram sapatos caros que querem tratar". E lembra com ar nostálgico: "Ganhei muito dinheiro nos anos 80. Nessa altura havia dinheiro que nunca mais acabava".

As dificuldades económicas sentidas em quase todos os sectores parecem não afectar sapateiros, costureiras e reparadores de electrodomésticos, que continuam a ter "muito trabalho". Um fenómeno conhecido dos economistas por substituição, normal em alturas de dificuldade económica.

Crise também é coisa de que a família Ahrorov não se pode queixar. O casal oriundo do Uzbequistão trabalha lado a lado no centro comercial. Ansor é sapateiro e Dilfuza costureira. Tanto um como o outro confirmam que têm "muito trabalho". "Os portugueses estão sempre a falar da crise mas não a tenho sentido. Acho que gostam de se queixar", refere a costureira, que vive em Portugal há oito anos.

A maioria dos clientes de Dilfuza quer arranjar "roupas usadas, mudar os forros, botões, fechos e aproveitar essa roupa". Também o marido, que faz sapatos por medida, nota que "as pessoas compram menos e arranjam mais as coisas que já têm".

Quando o fantasma das dificuldade se abate sobre a economia é comum as pessoas começarem a procurar algo mais em conta. "Não existe a perda total de uma área de negócio apenas a sua substituição. Estamos perante fenómenos de substituição", explica ao DN o economista Diogo Lucena. Assim, nos tempos mais difíceis os supermercados com produtos mais baratos ganham clientes e os que vendem produtos mais caros perdem. "Mas também não podemos esquecer que quem ia aos restaurantes mais baratos agora come sandes", esclarece. Ou seja, "não há enriquecimento dos locais mais baratos, apenas sentem menos a crise porque ao mesmo tempo que perdem uns clientes ganham outros que antes iam a locais mais caros".

A reparação de electrodomésticos é outro recurso à poupança. "Mas com o preço dos aparelhos a baixar, quase não compensa fazê-lo", diz Paulo Oliveira proprietário de uma loja de venda e reparação. Os clientes optam por só arranjar os aparelhos "de uma marca boa".

Paulo Oliveira garante que a maioria dos seus clientes não quer saber de poupanças. "Os portugueses não gostam de coisas em segunda mão. Preferem comprar novo. E mesmo "quando pedem para arranjar, acabam por comprar novo. Na semana passada, uns clientes deixaram aqui uma televisão para arranjar, mas fizeram questão de comprar um LCD gigante".

Não são só os reparadores de materiais que ganham na crise. Também os "restauradores" do espírito recebem mais pedidos de ajuda. O professor Alaje admite que "a crise está em todo o lado", e muitas pessoas procuram-no para "tentar arranjar emprego". No entanto, garante que "é difícil ajudar estas pessoas". O astrólogo Sana conta que também recebe muitas pessoas à procura de emprego. Mas o número de clientes não aumentou.

AnaBela Ferreira

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009




Profissões com Saída

Apesar da Actual crise, ainda há empresários que querem aumentar os seus quadros este ano.
De acordo com o Guia Salarial, elaborado pela empresa de recursos humanos Hays, entre as áreas com mais saída, destacam-se os sectores:

· Tecnologia de Informação – 54.9 %
· Banca – 40 %
· Construção e engenharia - 35,5%
· Vendas e Marketing – 34,2%
· Contabilidade e Finanças – 33,9 %
· Farmacêutica – 31,6 %

Dentre estes sectores, os perfis mais procurados serão os profissionais das áreas de crédito e cobrança em contabilidade e finanças.
Na banca, haverá uma maior aposta no recrutamento de profissionais em áreas mais técnicas e, na construção e engenharia prevê-se uma procura de pessoas polivalentes.
Apesar na diminuição do recrutamento de novos quadros, os profissionais altamente qualificados e com alto nível de especialização e conhecimento continuarão a ser bastante solicitados.
Outra característica valorizada será a experiência e os idiomas, principalmente o inglês.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

BOLSA DE INVESTIGAÇÃO
DGES – Direcção Geral do Ensino Superior


Encontra-se aberto concurso para a atribuição de Bolsas de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) no ambito do projecto de formação superior na observação e monitorização do sistema do ensino superior, FINANCIADO PELA Fundação para a Ciência e a Tecnologia, nas seguintes condições:

Duração e Regime de Actividade
Inicio previsto a 2 de Dezembro de 2008, pelo período de 12 meses, em regime de exclusividade.
A atribuição da bolsa rege-se pelo disposto no Estudo do Bolseirode Investigação, aprovada pela Lei nº 40/2004, de 18 de Agosto, e no Regulamento da Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos, da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, homologado em 21 de Maio de 2007.

Local de Actividade
As funções serão exercidas na Direcção-Gerla do Ensino Superior.

Objectivo da actividade
Desenvolvimento de trabalho no âmbito da gestão das políticas do ensino superior.

Formação Académica
Licenciatura ou Mestrado em Economia/Gestão/Contabilidade;
Licenciatura ou Mestrado em Matemática Aplicada;
Licenciatura ou Mestrado em Direito;
Licenciatura ou Mestrado em Informática;

Remuneração
De acordo com a tabela de valores de bolsas anexa ao Regulamento da Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos, da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Documentos de Candidatura
a) Cópia simples do certificado de habilitações exigidas;
b) Curriculum Vitae detalhado;
c) Carta de motivação e de disponibilidade para o trabalho a que se candidata;

Métodos e Critérios de Selecção
As candidaturas serão avaliadas tendo em conta o mérito do candidato e o seu currículo;

Formalização das Candidaturas
A recepção de candidaturas decorrerá pelo prazo de 5 dias úteis a contar da data de publicação do anúncio (20/11/2008).
As candidatura poderão ser entregues pessoalmente na Direcção-Geral do Ensino Superior, Av. Duque Ávila , 137, 1069-016 Lisboa, ou enviadas por correio registado para o mesmo endereço.

Lisboa, 18 de Novembro de 2008 – O Director Geral do Ensino Superior, António Marão Dias


BOLSAS DE ESTUDO
Fundação Oriente


Decorrem entre 2 e 31 de Dezembro as candidaturas às bolsas de estudo de curta duração da Fundação Oriente, a atribuir no 2º Semestre de 2009.
Com uma DURAÇÃO DE 15 A 90 DIAS, AS BOLSAS SÃO CONCEDIDOS A CIDADÃOS DO Extremo Oriente que pretendam frequentar cursos, estágios ou visitas de estudo a Portugal, e a candidaturas portuguesas com os mesmos objectivos em países asiáticos.


O programa de bolsas de estudo da Fundação Oriente, um dos elementos fundamentais da sua actuação no domínio da formação, tem como principais objectivos incentivar a investigação nas áreas das ciências sociais e humanas em temas relacionados com o Extremo Oriente, promover o intercâmbio científico entre universidades e as comunidades científicas portuguesas e orientais, promover o conhecimento e o aperfeiçoamento da língua e da cultura portuguesas e das línguas e culturas orientais, proporcionar o aperfeiçoamento artístico, contribuir para a formação de quadros através da concessão de bolsas para a frequência de cursos superiores a estudantes orientais de grande potencial e fracos recursos económicos e proporcionar o acesso à formação média e profissionalizante a estudantes orientais de menores recursos económicos.
São os seguintes os tipos de bolsas atribuídos pela Fundação Oriente:

Bolsas de Estudo de Curta Duração

Bolsas Anuais:
· Bolsas para Frequência de Cursos de Aperfeiçoamento de Língua e Cultura Portuguesas e de Línguas e Culturas Orientais
· Bolsas de Aperfeiçoamento Artístico
· Bolsas de Investigação e Doutoramento
BOLSAS DE ESTUDO de curta duração
Fundação Oriente


Objectivos
A Fundação Oriente concede bolsas de curta duração a nacionais de países do Extremo Oriente para frequência de cursos, realização de estágios, visitas de estudo ou trabalhos de campo em Portugal, e a cidadãos portugueses com os mesmos objectivos, em países do Extremo Oriente.

Duração
As bolsas têm uma duração mínima de 15 dias e máxima de 90 dias.

Condições de elegibilidade
• A Fundação Oriente concede, preferencialmente, bolsas nas seguintes áreas: Artes Plásticas, História, História da Arte, Património Cultural, Design, Fotografia, Arquitectura, Museologia e Conservação e Restauro. No entanto, para além das áreas mencionadas como prioritárias são aceites candidaturas em qualquer área.
• Os pedidos de estágios, no âmbito da frequência de licenciaturas, não são contemplados por este programa.
• Os pedidos para frequência de cursos de aperfeiçoamento de língua portuguesa e de línguas orientais não são contemplados por este programa.

Características da bolsa
• O valor da bolsa é fixado pela Fundação em função da sua duração e do país em que decorre o curso, estágio, visita de estudo ou trabalho de campo.
• A Fundação compromete-se a assumir as despesas da viagem de ida e volta entre o local de residência permanente do bolseiro e de realização do curso, estágio, visita de estudo ou trabalho de campo.

Prazos de candidatura
As candidaturas deverão ser entregues na Fundação nos seguintes períodos:
• Em Junho, para bolsas a usufruir no 1º semestre do ano seguinte.
• Em Dezembro, para bolsas a usufruir no 2º semestre do ano seguinte.

Como concorrer
Os candidatos deverão preencher e entregar o formulário, disponível neste sítio ou na Fundação, acompanhado dos seguintes documentos:
• Curriculum vitae;
• Certificados de habilitações académicas na área em que se candidatam ou cópias autenticadas;
• Plano pormenorizado do curso, estágio, visita de estudo ou trabalho de campo e indicação do tempo considerado necessário para a sua realização;
• Documento de aceitação de orientador qualificado e/ou de inscrição na instituição de acolhimento;
• Duas cartas abonatórias do candidato/projecto;
• Em caso de candidatura na área artística deverá o candidato entregar portfolio e dossier de imprensa.


Todos os documentos deverão ser entregues em português ou inglês. No caso de documentos traduzidos de uma língua oriental, deverá a tradução ser devidamente certificada.
BOLSAS DE ESTUDO
Bolsas para Aperfeiçoamento Artístico

Fundação Oriente


Objectivos
• A Fundação Oriente concede bolsas de estudo a candidatos nacionais de países do Extremo Oriente que pretendam realizar, em Portugal, aperfeiçoamento num dos diversos domínios da expressão artística e a candidatos de nacionalidade portuguesa que pretendam realizar semelhante aperfeiçoamento em países orientais.

Duração
• As bolsas têm uma duração de seis a 12 meses podendo este prazo ser excepcionalmente prorrogado até ao limite de 24 meses. No caso de se tratar da frequência de um curso, a duração da bolsa será fixada em função do calendário do respectivo curso.

Características da bolsa
• O valor mensal da bolsa é fixado anualmente pela Fundação.
• A Fundação compromete-se a assumir as despesas de uma viagem de ida e volta entre o local de residência permanente do bolseiro e de utilização da bolsa.

Como concorrer
Nas bolsas de aperfeiçoamento artístico, os candidatos deverão preencher e entregar o formulário disponível neste sítio ou na Fundação, acompanhado dos seguintes documentos:
• Curriculum vitae;
• Certificados de habilitações académicas na área em que se candidatam ou cópias autenticadas;
• Portfolio;
• Dossier de imprensa;
• Plano de trabalho/curso devidamente estruturado e pormenorizado, com a indicação do tempo considerado necessário para a sua realização ou do respectivo período lectivo;
• Documento de aceitação de orientador qualificado e/ou de inscrição na instituição de acolhimento;
• Duas cartas abonatórias do candidato/projecto.

Os documentos deverão ser entregues em português ou inglês. No caso de documentos traduzidos de uma língua oriental, deverá a tradução ser devidamente certificada.
BOLSAS DE ESTUDO
Bolsas de Investigação e Doutoramento
Fundação Oriente


Objectivos
• A Fundação Oriente concede bolsas de estudo para a realização de teses de doutoramento e de trabalhos de investigação em temas que relacionem o Extremo Oriente e Portugal em qualquer área do conhecimento.
• A Fundação Oriente concede também bolsas de estudo, nas áreas de Ciência e Tecnologia, a candidatos nacionais de países do Extremo Oriente que pretendam realizar doutoramento ou trabalhos de investigação em universidades portuguesas e a investigadores portugueses com o mesmo objectivo em universidades de países orientais.

Duração
• As bolsas têm a duração de 12 meses podendo este prazo ser excepcionalmente prorrogado, por períodos iguais ou inferiores, até ao limite de 36 meses.

Condições de elegibilidade
• Nas áreas de Ciência e Tecnologia não serão aceites candidaturas de investigadores orientais que já estejam a viver em Portugal.
• Não serão aceites candidaturas de estudantes que já tenham beneficiado de uma bolsa de estudo de outra instituição para o mesmo objectivo.

Características da bolsa
• O valor mensal da bolsa é fixado anualmente pela Fundação e varia em função do grau académico do bolseiro.
• A Fundação compromete-se a assumir as despesas da viagem de ida e volta entre o local de residência permanente do bolseiro e de utilização da bolsa.

Como concorrer
Nas bolsas para doutoramento e investigação, os candidatos terão de preencher e entregar o formulário, disponível neste sítio ou na Fundação, acompanhado dos seguintes documentos:
• Curriculum vitae;
• Certificados de habilitações académicas na área em que se candidatam ou cópias autenticadas;
• Plano de trabalho devidamente estruturado e pormenorizado, com a indicação do tempo considerado necessário para a sua realização;
• Documento de aceitação de orientação da proposta de trabalho;
• Curriculum Vitae resumido do orientador;
• Documento de aceitação e/ou inscrição na respectiva instituição;
• Duas cartas abonatórias do candidato/projecto.

Os documentos deverão ser entregues em português ou inglês. No caso de documentos traduzidos de uma língua oriental, deverá a tradução ser devidamente certificada.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Oferta de Trabalho



Lusotemp

Cortadores e Dobradores
Empresa da indústria gráfica


Requisitos
Ê Com experiência

Respostas para
Rua Henrique Paiva Couceiro, 1 – Venda Nova
2700-450 Amadora
Email: nuno.nogueira@gar.pt

Oferta de Trabalho




Lusotemp

Vendedores Telefónicos
Inbound / Outbound


Requisitos
Ê Conhecimentos de informática na óptica do utilizador
Ê Dinâmico e proactivo
Ê Experiencia em atendimento de TV


Condições
Salário base + subsidio de refeição
Plano de comissões aliciantes
Integração em equipa jovem
Horário entre as 9:00 e as 24:00
Duas folgas por semana em dias úteis ou mistos


Respostas para
Email: candidaturas@lusotemp.pt
Telef. 213 161 247 / 707 200 902

Oferta trabalho

Carristur

Colaboradores para os Serviços Turísticos

Regime Temporário


Requisitos
Ê Curso de Turismo, preferencialmente
Ê 12º ano de escolaridade
Ê Fluência em Inglês, Francês ou Alemão

Condições
As praticadas pelo mercado para funções idênticas

Respostas para
Email: formacao@carristur.pt
Telef. 218 594 351
(A/C Srª Drª Anabela Almeida)

Oferta trabalho - Cacém




Sapa II Perfis

Candidatos para várias áreas da fábrica


A SAPA actua no sector do alumínio, desenvolve e comercializa soluções para arquitectura e perfis industriais.


Local de trabalho
Cacém


Ê Habilitações mínimas com o 9º ano de escolaridade
Ê Disponibilidade imediata
Ê Trabalho por turnos


Sapa II Perfis
Departamento de Recursos Humanos
Alto da Bela Vista, Estrada das Ligeiras
2735 – 337 Cacém
Telef. 214 272 325 / 304 / 353

Cursos de Educação e Formação de Adultos

Cursos EFA


Curso Técnico de Informática

Instalação e Gestão de Redes

· Cursos Gratuitos
· Equivalência ao 12º ano
· Dupla Certificação: Escolar e Profissional
· Certificação nível 3 UE

Destinatários:
· Activos com mais de 18 anos associados da AECC e seus colaboradores;

Habilitações Minimas: 9º ano de escolaridade;
Duração: 3 anos
Início do Curso: 9 de Dezembro de 2008
Local: Venda Nova – Junto à estação CP da Reboleira
Metro: Amadora Este / Autocarro: 109 a 186
Regime: Laboral;
Regalias:De acordo com a legislação em vigor


Informações e Inscrições:
CINEL
Venda Nova
Até ao dia 21 de Novembro

Estudar no estrangeiro



Estude no Estrangeiro


Toda a informação sobre
· Cursos de idiomas
· Cursos universitários
· Secundário no estrangeiro

E Mais sobre…
· Educação
· Testes internacionais
· Estágios
· Bolsas de estudo
· Consulados
· Visto
· Passaportes
· Cambio
· Etc.

Cursos de Educação e Formação de Adultos

Cursos EFA - Formação Gratuita

· Contabilidade e Fiscalidade
· Ciências Informáticas
· Secretariado e Trabalho Administrativo
· Formação Pedagógica Inicial e Continua de Formadores
· Trabalho Social e Orientação
· Serviço de Apoio a Crianças e Jovens
· Tecnologias dos Processos Químicos
· Protecção do Ambiente
· Industrias Alimentares
· Técnico de Higiene e Segurança do Trabalho

· Cursos Gratuitos
· Dupla Certificação: Escolar e Profissional
· Coimbra, Leiria, Alcobaça, Vila Franca de Xira, Lisboa, Sousel, Crato, Portalegre, Arronches, Elvas, Campo Maior


Informações e Inscrições:
Sede:
Rua Duque de Palmela, nº2 – 5º Dt / 1250-098 Lisboa
Telefone: 213 161 215
geral@gesticoopfor.com

Delegação Regional Centro:
Av. Fernão de Magalhães, 151-2º C / 3000-176 Coimbra
Telefone: 239 101 292
centro@gesticoopfor.com

Delegação Regional Alentejo:
Estrada de Santa Rita, 14 – 1º Dt, / 7350 – 115 Elvas
Telefone: 268 624 662
centro@gesticoopfor.com

Formação Profissional para Jovens



Formação Profissional Jovens


Técnico (a) de Secretariado
De 17 Nov 2008 a Dez 2009


Programador(a)
De 17 Nov 2008 a Dez 2009

· Horário Laboral
· Bolsa de Material de estudo
· Bolsa de Profissionalização
· Subsidio de transporte
· Subsidio de Refeição

Informações e Inscrições:
Citeforma – Centro de Formação Profissional dos Trabalhadores de Escritório, Comércio, Serviços e Novas Tecnologias
Av. Marquês de Tomar, nº 91 / 1069-181 Lisboa
Tel. 217 994 560 / Fax 217 994 560
Email: geral@citeforma.pt
www.citeforma.pt

Cursos de Educação e Formação de Adultos / Jovens

Cursos de Educação e Formação de Adultos
Reparação de Carroçarias (B3) - Lisboa
· Cursos Gratuitos
· Para adultos com 18 anos ou mais
· Escolaridade mínima: 6º ano
· Equivalência ao 9º
· Dupla Certificação: Escolar e Profissional


Cursos Educação e Formação de Jovens

Pintura de Veículos (Tipo 4) - Lisboa
· Cursos Gratuitos
· Para jovens entre os 15 e os 25 anos
· Escolaridade mínima: 9º ano
· Dupla Certificação: Escolar e Profissional


Duração: Cerca de 18 meses
Início dos Cursos: Dezembro
Horário: das 9:00 às 17:00
Regalias: Subsidio de Transporte, subs. Alimentação e bolsa de formação


Informações e Inscrições:
CEPRA – Centro de Formação Profissional de Reparação Automável
R: Francisco Salgado Zenha, 3
2685-332 Prior Velho
Tel. 219 427 870 / Fax 219 411 962
Email: geral@cepra.pt

Cursos de Educação e Formação de Adultos


Cursos EFA
Formação Gratuita


Tecnologias de Informação e Comunicação Multimédia



· Cursos Gratuitos
· Em Lisboa
· Equivalência ao 9º ou ao 12º ano
· Dupla Certificação: Escolar e Profissional
· Horário Pós Laboral
· + Subsídios de acordo com a legislação em vigor.


Informações e Inscrições:
http://financiada.escoladigital.com
21 782 41 29 - 96 416 52 75


Cursos EFA
Formação Gratuita


Práticas Administrativas

Técnicas de Informação e Animação Turística

Técnicas Administrativas


· Cursos Gratuitos
· Equivalência ao 9º ou ao 12º ano
· Dupla Certificação: Escolar e Profissional
· Horário Laboral ou Pós Laboral
· + Subsídios de acordo com a legislação em vigor
· Beja / Braga / Évora / Lisboa / Viseu


Informações e Inscrições:
http://financiada.futurmix.pt
ou
Porto: 22 200 65 51 – 96 907 39 10
Lisboa: 21 782 41 29 - 96 416 52 75

Cursos de Educação e Formação de Adultos

Cursos EFA
Formação Gratuita


Desenvolvimento de Aplicações Informáticas

Instalação e Manutenção de Sistemas Informáticos

· Cursos Gratuitos
· Equivalência ao 12º ano
· Dupla Certificação: Escolar e Profissional
· Horário Laboral ou Pós Laboral
· + Subsídios de acordo com a legislação em vigor
· Coimbra / Évora / Guimarães / Lisboa / Porto


Informações e Inscrições:
http://financiada.rumos.pt
ou
Porto: 22 200 65 51 – 96 907 39 10
Lisboa: 21 782 41 29 - 96 416 52 75

Cursos de Educação e Formação de Adultos

Cursos EFA

Empregado (a) de Mesa (2.035h)

Operador (a) de Informática (1.935h)


· Cursos Gratuitos
· Equivalência ao 9º ano
· Dupla Certificação: Escolar e Profissional

Destinatários:
· Activos com mais de 18 anos associados da AECC e seus colaboradores;

Habilitações Minimas:
· 6º ano de escolaridade;

Regime:
· Pós Laboral;

Regalias:
· Subsidio de Alimentação (diário);


Informações e Inscrições:
AECC – Associação Empresarial do Concelho de Cascais
Alm. Comb Grande Guerra, 270 – 2º Esq
2750-326 Cascais
Tel. 21 482 34 50 / Fax 21 483 01 58
Site: aeccascais.org
Email: info@aeccascais.org

sexta-feira, 31 de outubro de 2008


Auxiliar de Acção Directa
(POC)

Instituição Particular de Solidariedade Social, na Terrugem – Sintra, procura pessoa para Programa Ocupacional, de 2ª a 6ª feira das 8h às 18h e para alguns fins-de-semana, para as seguintes funções:

· Apoio no Centro de Dia
· Apoio Domiciliário

Perfil:
· Desempregado(a), a receber o subsidio de desemprego;
· Com gosto em trabalhar com idosos;
· Disponibilidade imediata ;
· Disponibilidade para trabalhar alguns fins de semana;
· Gosto pelo trabalho de equipa, dinâmica e paciente;
· Com carta e prática de Condução (factor preferencial);


A pessoa interessada receberá
· + 20% do Subsidio de Desemprego
· Pagamento do passe
· Almoço
· Seguro

Contacto:
Maria João Fernandes – 96 265 64 28

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Estudar no estrangeiro


Queres estudar no estrangeiro?
Visita a melhor feira de Intercâmbio!


Segunda-feira,
dia 10 de Novembro de 2008

Das 14:00 às 19:00


Hotel Tiara Park Atlantic Lisboa
Rua Castilho, 149

Para perguntas e duvidas, contactar:
info@estudanoestrangeiro.com

Artigos

"Olhar a pedra não move a pedra"
(Adaptação de um texto de Aldo Novak)

Certa vez, alguém disse o seguinte conversando com um amigo: "A minha cunhada não consegue resolver os seus problemas. Que conselho me podes dar para a ajudar? Ela tem feito terapia desde os 20 anos de idade e olha para os problemas mas eles não mudam. O que é que ela pode fazer? Nem sequer consegue um novo emprego na área dela."

Os mestres incas diziam, frequentemente, para os seus aprendizes, algo muito interessante e que está na base da realização de todas as coisas. Acontece que os incas não possuíam escrita tradicional e grande parte da sua comunicação era feita com pedras. Mas, como acontece com qualquer texto, temos que conhecer o idioma em que a mensagem está escrita. Um chinês não entenderá este texto, já que está escrito em português, não em mandarim.

Para se compreender as mensagens nas pedras, deixadas pelos incas, é necessário entender o idioma usado - o significado da posição das pedras em relação aos pontos cardeais, por exemplo. Por isso, os incas ensinavam aos mais jovens como usar as pedras para criar imagens e mensagens numa espécie de "universidade das pedras".

Entretanto, era muito comum que um jovem inca ficasse a olhar para as pedras, tentando saber como comunicar algo. Uma coisa semelhante acontece hoje com muitos autores, que olham para uma página em branco (ou para a tela do computador) e se interrogam sobre o que irão escrever. Nessas horas, os anciãos incas costumavam aproximar-se dos jovens aprendizes, dizendo com toda a sua sabedoria: "olhar a pedra não move a pedra".

Olhar os problemas, não move os nossos problemas.
Olhar os desafios, não move os nossos desafios.
Olhar a vida não move a nossa vida.

Olhar, ou dar atenção, é apenas a primeira etapa para mudar qualquer coisa na nossa existência. A segunda etapa é saber qual a nossa intenção sobre aquilo que estamos a olhar. A terceira etapa é a acção. Se ficarmos parados na atenção, podemos descobrir que fizemos terapia durante 200 anos, mas tudo continua na mesma. Isso acontece porque, como diziam os incas, “olhar a pedra não move a pedra”. Nem hoje, nem nunca.

Alguém está desempregado? Então responda: quantas horas, por dia, está a dedicar à procura de emprego? A maioria das pessoas envia alguns currículos, fala com os amigos e olha para os jornais. Depois, no restante da semana, elas fazem outras coisas, para preencher o tempo disponível.

Quando alguém diz que não consegue uma recolocação profissional, talvez seja lógico perguntar: quantas horas pretende trabalhar depois de contratado? Sete horas por dia, cinco dias por semana? Então, precisa dedicar o mesmo número de horas para procurar emprego, cinco dias por semana! A maioria das pessoas procura emprego, realmente, 4 horas por semana, mas querem encontrar um emprego de 40 horas! “Olhar a pedra não move a pedra”!

Não importa se se está a ganhar dinheiro ou não, nas 40 horas de busca de trabalho por semana. Não importa se já está a trabalhar no que quer trabalhar ou não. Importa que já esteja a trabalhar as 40 horas, aproximando-se do seu objectivo. Longe da televisão, da balada ou dos desperdiçadores de tempo que tentarão derrubar os seus sonhos. “Olhar a pedra não move a pedra”.

Algumas pessoas dizem que nas suas áreas de trabalho não adianta passar 40 horas por semana à procura de emprego. Talvez isso tenha a ver com uma visão muito estreita da sua própria área de trabalho. Será que estão à procura do emprego anterior, disfarçado num novo emprego? Há sempre um trabalho disponível para quem quer realmente trabalhar. Há sempre dinheiro disponível para quem se torna excelente numa tarefa - qualquer que seja essa tarefa. Há sempre clientes para cada produto ou serviço. Há sempre uma pessoa à nossa espera. O que sabemos que podemos fazer agora para mudar as coisas?

Desde que não se fique parado, olhando a pedra, tudo pode acontecer.
Porque, em nenhuma área da vida, “olhar a pedra não move a pedra”.

20 OUT 2008

sábado, 25 de outubro de 2008

Formação

Formação Profissional

Instalação e Manutenção de Sistemas Informáticos


Equivalência ao 12º ano e nível de profissional


Acesso: Desempregados
Habilitações: 9º ano
Idade: maiores de 23 Anos
Nº de Horas: 1870 horas
Horário: Laboral
Local: Lisboa

Oferece-se
Bolsa de Formação – Estágio
Subsidio de Alimentação e Transporte


Contactos:
Rua Duque Palmela, nº 2 – 5º Dt
Telef: 21 316 12 15
Email: geral@gesticoopfor.com
www.gesticoopfor.com

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Bolsas Marie Curie

Bolsas Marie Curie
Parcerias Indústrias/Universidade


Sessão de Divulgação
20 de Outubro de 2008, Lisboa

Os financiamentos Marie Curie IAPP (Industry-Academia Partnerships and Pathways) destinam-se a promover parcerias entre organismos públicos e privados, Universidades e PMEs, com base num projecto de investigação comum, e têm como objectivo reforçar a troca de know-how entre os dois sectores.

Entrada Livre

Programa da Sessão de Divulgação
20 de Outubro de 2008, Representação da Comissão Europeia em Portugal
Largo Jean Monnet, 1-10º - Lisboa

13.45h Registo dos participantes
14.15h Abertura, Eng. Virgínia Corrêa, Directora do GPPQ
14.30h A Acção Marie Curie IAPP, Parcerias e Diálogo Indústria/Centros de Investigação
  • Doutor David Pina, DG Investigação, Comissão Europeia
15.15h A experiência de uma empresa numa AcçãoToK
  • Doutora Suhita Osório Peters, CEIFA ambiente, Lda.
15.35h A experiência de uma Acção IAPP para os Centros de Investigação
  • Doutor Miguel Castanho, Instituto de Medicina Molecular
16.00h Intervalo para café
16.20h Debate com a participação do Delegado Nacional, Doutor A. Novais
17.20h Os Co-financiamentos da FCT às Acções Marie Curie e o apoio à participação nas Acções Marie Curie
  • Ana Margarida Santos, NCP
17.45h Encerramento
Inscrições e mais informação:
Por favor envie um e-mail para anamargarida.santos@fct.mctes.pt
Estacionamento: Parque Mayer
Metro: Avenida

Formação para jovens

Técnico de Laboratório

CONDIÇÕES DE MATRÍCULA
•Ter entre 15 e 25 anos
•Ter o 9ºano ou equivalente
•Não ter concluído o 12º ano ou curso com qualificação equivalente

Duração – 3 anos

Equivalência – 12º ano


EPED – Escola Profissional de Educação para o Desenvolvimento
Largo Bulhão Pato, 56 – Quinta da Torre – 2825-114 Monte da Caparica
Tel. 21 294 60 40 - Fax: 21 294 60 49 - Site: http://www.eped.pt/

Formação para jovens

Cursos Profissionais - Regime Diurno
ANO LECTIVO 2008-2009


¨ Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos
¨ Técnico de Análise Laboratorial
¨ Animador Sociocultural
¨ Técnico de Gestão do Ambiente
¨ Técnico de Gestão
¨ Técnico de Electrónica e Telecomunicações



CONDIÇÕES DE MATRÍCULA
•Não ter até 31-07-2008 mais de 25 anos
•Ter o 9ºano ou equivalente
•Não ter concluído o 12º ano ou curso com qualificação equivalente


CONDIÇÕES DE FREQUÊNCIA
•Matrícula : 50 euros
•Seguro escolar: 4,20€


EPED – Escola Profissional de Educação para o Desenvolvimento
Largo Bulhão Pato, 56 – Quinta da Torre – 2825-114 Monte da Caparica
Tel. 21 294 60 40 - Fax: 21 294 60 49 - Site: http://www.eped.pt/
Oferta de Trabalho

2 vagas para
Manutenção de Hotel


Requisitos preferenciais:
  • Uma vaga com conhecimentos de civil e pintura
  • Uma vaga com conhecimentos de manutenção em geral.

Candidaturas
Os interessados devem enviar currículo para:
constantino.augusto@vivamarinha.pt

Nota:
Só serão aceites candidaturas de estrangeiros legalizados.


EXPLICAÇÕES
Santarém

SEXTA E SÁBADO, 5.50€ / HORA
960348311


Estudante a frequentar o 1º ano do ensino superior, no curso de Ciência Política e Relações Internacionais dá explicações em Santarém.

Disciplinas :
1º Ciclo - Todas.
2º Ciclo - Todas.
3º Ciclo - Todas excepto Matemática e Francês.
Secundário - Todas da área de Ciências Sociais e Humanas + Português, Filosofia, Inglês.

Preço: À hora, com preço a acordar (aproximadamente 5,50€).

Contactos:
Filipa Barata
E-mail - pipinha_str@hotmail.com
Telemóvel - 960348311

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Ofertas de Trabalho




Precisa-se...

Empregada para Perfumaria

Oeiras Park e Jumbo de Alfragide

Entregar o CV na Rua Heliodoro Salgado, nº 12, em Sintra ou nos Shoppings em causa.

Formação - Hiperactividade e Défice de Atenção


Acção de Formação
HIPERACTIVIDADE E DÉFICE DE ATENÇÃO

Objectivos - Dotar os participantes de conhecimentos para a compreensão da Hiperactividade e Défice de Atenção.

Conteúdos - Conceito de PHDA; Factores etiológicos e de risco; Manifestações de perturbação; Características Principais; Diagnóstico; Avaliação; Intervenção; Discussão de Casos.

Método - Método expositivo, interrogativo; Trabalhos em grupo; Estudo de Casos.

Formadora: M.ª João Fernandes - Psicóloga, coach de vida e profissional, formadora certificada pelo IEFP

Data - 11 de Outubro de 2008 (sábado) das 9:30h às 12:30h e das 14:00h às 18:00h (7 horas), inscrições limitadas

Inscrições (limitadas) e pagamento pelo Tel./Fax 21 432 60 56, email apee3agualva@netcabo.pt ou no Centro de Formação da APEE Escola EB1 N.º3 de Agualva Praceta das Descobertas, 2735-095 Agualva-Cacém (local da realização da formação)

Formação - Formação de Monitores de Tempos Livres

20.º CURSO DE
FORMAÇÃO DE MONITORES DE TEMPOS LIVRES

OBJECTIVOS
Sensibilizar os formandos para a importância da formação profissional continuada, para a Educação para a Cidadania e Educação para a Arte.
Preparar pedagogicamente Monitores com autonomia na organização das actividades lúdicas a desenvolver com as crianças.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS
FORMAÇÃO CULTURAL, SOCIAL e ÉTICA
Educação e Contextos Pedagógicos;
Projecto Pedagógico (instrumento de trabalho e de desenvolvimento);
Construção de uma Identidade Profissional;
Estratégias de Aprendizagem (exploração de práticas); Relação Pedagógica (conceitos básicos);
Avaliação Global (apresentação e apreciação de projectos).
ACTIVIDADE LÚDICA
Fases de Desenvolvimento Infantil/Actividade Lúdica; Expressões Globais (fase inicial);
Expressão Plástica;
Expressão Dramática;
Expressão Musical e Poética;
Expressões Globais (fase final);
Prevenção Primária/Actividade Lúdica;
Plano de Sessão.
SAÚDE
Primeiros Socorros em Contexto Escolar;
Assertividade e Relações Interpessoais.
INFORMÁTICA
Iniciação na Óptica do Utilizador.

METODOLOGIA
Expositiva, Demonstrativa e Activa

Formadoras Acreditadas pelo IEFP:
Ana Paula Vitorino - Enfermeira do Hospital D. Estefânea
Carla Pedro - Licenciatura em Ciências da Educação
Maria João Fernandes - Psicóloga, Coach de Vida e Profissional
Lucrécia Alves (Té) - Técnica em Expressões Lúdicas e Artísticas, Coordenadora Pedagógica de ATL

A Todos os Formandos será entregue Certificado de Frequência Profissional
Publico Alvo
Eucadores de Infância, Monitores de Actividades de Tempos Livres (ATL), Monitores de Actividades de Enriquecimneto Curricular (AEC), Animadores Culturias,
e Outros interessados)

Data e horário
de 11 de Outubro a 13 de Dezembro de 2008 - das 9:30h às 12:30h e das 14:00h às 18:00h (10 sábados - 70 horas)

Pagamento (incluí todo o material, documentação e livro de apoio)
Inscrição - 30€ (trinta euros)
10 módulos - 270€ (duzentos e setenta euros) poderá ser efectuado na totalidade ou por 3 vezes (sendo o primeiro no 1.º dia da Formação, o 2.º a 31 de Outubro e o 3.º a 28 de Novembro 2008)

Inscrições (limitadas) e pagamento da inscrição até 7 de Outubro de 2008 das 15:30h às 19:30h pelo Tel./Fax 21 432 60 56, email apee3agualva@netcabo.pt ou no Centro de Formação da APEE Escola EB1 N.º3 de Agualva Praceta das Descobertas, 2735-095 Agualva-Cacém (local da realização da formação)

Formação - Expressões Artisticas - Psicopedagogia Livre e Aberta

2.º Curso de
EXPRESSÕES ARTÍSTICAS - PSICOPEDAGOGIA LIVRE E ABERTA

OBJECTIVOS

Desenvolver competências de interligação da Educação pela Arte nas práticas pedagógicas.
Promover a Educação global voltada para a formação do Ser, através da espontaneidade e da criatividade.

CONTEÚDOS
Conceitos Básicos
Arte/Educação/Educação pela Arte/Artista/Expressão
Criatividade/Espontaneidade/Liberdade/Não directividade
Autonomia/Iniciativa/Assertividade
Dinâmica de grupo/Socialização/Relações Interpessoais
Prevenção/Inclusão Social/Cidadania
Jogo/Brincar/Brincar Social Espontâneo
Avaliação nas Expressões/Prevenção-Actividade Lúdica
Primeiros Socorros em Contexro Escolar e Familiar
Iniciação na Óptica do Utilizador.
Práticas de Expressão:
Plástica;
Dramática/Corporal/Dança
Verbal/Escrita/Poética
Musical/Rítmica/Sonora
Global

METODOLOGIA
Exposição teórivo-prática
Activa - Trabalhos de grupo
Portfólio

Formadoras Acreditadas pelo IEFP:
Ana Paula Vitorino - Enfermeira do Hospital D. Estefânea
Carla Pedro - Licenciatura em Ciências da Educação
Maria João Fernandes - Psicóloga, Coach de Vida e Profissional
Lucrécia Alves (Té) - Técnica em Expressões Lúdicas e Artísticas, Coordenadora Pedagógica de ATL

A Todos os Formandos será entregue Certificado de Frequência Profissional

Publico Alvo
Professores, Eucadores de Infância, Monitores de Actividades de Tempos Livres (ATL), Monitores de Actividades de Enriquecimneto Curricular (AEC), Animadores Culturias, e Outros interessados)

Data e horário
de 11 de Outubro a 13 de Dezembro de 2008 - das 9:30h às 12:30h e das 14:00h às 18:00h (10 sábados - 70 horas)

Pagamento (incluí todo o material, documentação e livro de apoio)
Inscrição - 30€ (trinta euros)
10 módulos - 270€ (duzentos e setenta euros) poderá ser efectuado na totalidade ou por 3 vezes (sendo o primeiro no 1.º dia da Formação, o 2.º a 31 de Outubro e o 3.º a 28 de Novembro 2008)

Inscrições (limitadas) e pagamento da inscrição até 7 de Outubro de 2008 das 15:30h às 19:30h, pelo Tel./Fax 21 432 60 56, email apee3agualva@netcabo.pt ou no Centro de Formação da APEE Escola EB1 N.º3 de Agualva Praceta das Descobertas, 2735-095 Agualva-Cacém (local da realização da formação)

Formação - Trabalho em Equipa

Acção de Formação
TRABALHO EM EQUIPA
“Um por Todos e Todos por Um”

Como diz o ditado popular, a União faz a força! O companheirismo, a entreajuda, a cooperação… ajuda, sem dúvida, a desenvolver capacidades sociais, profissionais e pessoais, permitindo a cada individuo reflectir sobre o seu modo de se relacionar com os outros, encontrando alternativas positivas às situações.

Objectivos
Dotar os formandos de competências e estratégias, no sentido de reconhecer a importância do trabalho em equipa e ajuda mútua.

Conteúdos
Grupo; Grupo & Equipa; Comportamento orientado para a Relação; Comportamento orientado para a Tarefa; Responsabilidades Individuais; Grupos e Equipas de Trabalho; Sinergia; Espírito de Equipa; as Relações no Grupo; Os conceitos que permitem a Reflexão do Eu e do Outro; Gestão do trabalho em Equipa; Dinâmica de Grupo; Qualidade através de Jogos & Simulações; Processo de Trabalho.

Metodologia
Expositivo e Activo.
Formadora: Helena Isabel Carita - Técnica de Desenvolvimento Comunitário, Formadora certificada (IEFP)
Data: 18 de Outubro de 2008 (sábado) das 9:30h às 12:30h e das 14:00h às 18:00h (7 horas), inscrições limitadas.
Valor da inscrição – 30€ (trinta euros) A todos os participantes será entregue Certificado de Formação.
Inscrições e pagamento até 14 de Outubro das 15:30h às 19:30h pelo Tel./Fax. 214326056 ou e-mail apee3agualva@netcabo.pt
Centro de Formação APEE Escola EB1 N.º3 de Agualva - Praceta das Descobertas, 2735-095 Agualva-Cacém (local da realização da Formação)
Acção de Formação
LIDAR COM A PRESSÃO E O STRESS
Todos sentimos pressão em certas alturas da vida. Mas encará-la como um desafio e controlá-la, pode ser estimulante e inspiradora. É importante que a pressão não se torne insuportável e se transforme em exaustão, problemas de saúde ou infelicidade.

Objectivos - Compreender as causas da pressão e como ela pode ser benéfica ou se transformar em stress; Preparar-se, mental e fisicamente, para dar o seu melhor em situações de pressão; Enfrentar positivamente as grandes mudanças de vida.

Conteúdos
  • Definições, perceber os aspectos positivos e as causas do stress;
  • Como a Pressão gera o Stress; Reconhecer o Stress; Aumentar a resistência; Realizar um Auto diagnóstico;
  • Ultrapassar as preocupações e montar uma rede de apoio
  • Saber Organizar-se e gerir o tempo;
  • A importância da alimentação;
  • A importância do relaxamento;
  • Responder ás exigências;
  • Lidar com os conflitos e comportamentos difíceis;
  • Lidar com a pressão auto imposta e rotinas exigentes;
  • Gerir bem a mudança: a paternidade / maternidade, alterações no trabalho, mudar de casa / de terra / de país, o luto, a separação.

Método
Expositivo e Activo.

Formadora
M.ª João Fernandes - Psicóloga, coach de vida e profissional, formadora certificada pelo IEFP

Data

18 de Outubro de 2008 (sábado) das 9:30h às 12:30h e das 14:00h às 18:00h (7 horas), inscrições limitadas.

Valor da inscrição
30€ (trinta euros) A todos os participantes será entregue Certificado de Formação

Inscrições e pagamento
até 15 de Outubro de 2008 das 15:30h às 19:30h pelo Tel./Fax. 214326056 ou e-mail apee3agualva@netcabo.pt


Centro de Formação APEE Escola EB1 N.º3 de Agualva - Praceta das Descobertas, 2735-095 Agualva-Cacém (local da realização da Formação)

Formação - Desenvolver a Auto estima na Criança


Acção de Formação
DESENVOLVER A AUTO ESTIMA NA CRIANÇA

Objectivos
Aceder e utilizar as suas potencialidades internas e transformar o que a impede de se desenvolver.

Conteúdos
Auto conceito e auto estima / Baixa auto estima vs. Alta auto estima / O que diminui a auto estima / Como desenvolver a auto estima / Como o Educador promove a auto estima / Estudo de casos / Exercícios facilitadores de Auto Estima.

Método
Expositivo e Activo.

Formadora
M.ª João Fernandes - Psicóloga, coach de vida e profissional, formadora certificada pelo IEFP

Data
25 de Outubro de 2008 (sábado) das 9:30h às 12:30h e das 14:00h às 18:00h (7 horas), inscrições limitadas

Valor da inscrição
30€ (trinta euros) A todos os participantes será entregue Certificado de Formação

Inscrições e pagamento até 22 de Outubro das 15:30h às 19:30h, pelo Tel./Fax. 214326056 ou e-mail apee3agualva@netcabo.pt

Centro de Formação APEE Escola EB1 N.º3 de Agualva
Praceta das Descobertas, 2735-095 Agualva-Cacém (local da realização da Formação)


terça-feira, 22 de julho de 2008

Saídas Profissionais

Saídas Profissionais

Para quem
Este artigo pode aplicar-se a todas as pessoas que precisam de tomar decisões profissionais, mas destina-se principalmente aos jovens que estão na altura de fazer opções que podem, e de certeza irão, influenciar as suas vidas de uma maneira mais decisiva do que eles próprios podem imaginar.

Não pretendo ser um “Velho do Restelo”. No entanto, sinto a necessidade de alertar para as medidas que são importantes considerar e tomar quando se atravessam tempestades. E neste momento estamos a atravessar uma tempestade que promete durar mais do que desejamos…


Porquê
Um destes dias, pediram-me para falar para um grupo de jovens numa apresentação sobre profissões. Éramos 8 pessoas, cada uma a falar da sua profissão. Sinceramente, não fiquei muito animada em falar sobre a minha. Passo a explicar: sou formada em Psicologia e, não me interpretem mal, adoro a profissão que escolhi.

Mas não me via a falar sobre ela com um grupo de jovens como vocês (ansiosos por saber qual a melhor profissão para si mesmos), sabendo que o mercado laboral está saturado de n psicólogos e que a grande maioria acaba por trabalhar em profissões completamente diferentes. Então, também como profissional da área, optei por falar de… Saídas Profissionais.

Curiosamente, a minha decisão foi de encontro às necessidades de uma das mães pesentes, angustiada pela recente decisão da filha (também presente na plateia de jovens) em seguir Psicologia. A mãe tinha as suas razões para estar assustada. Via de perto as reais saídas da maioria das pessoas formadas em psicologia: era dentista, tinha um consultório e uma das suas funcionárias da recepção era licenciada em Psicologia. Entre outros casos que conhece.

A verdade é que acredito que a nossa sociedade precisa de todos os psicólogos que as universidades formam. Mesmo muito. Basta olhar para as pessoas à nossa volta, para os dados estatísticos, para os hospitais, para as empresas. Mas as empresas pouco investem e o Estado então muito menos, apesar de tantas necessidades.


Sonhar e ter paixão
Defendo que é importante fazermos o que gostamos. Seguirmos os nossos sonhos, fazermos o que nos apaixona. Acredito que o que fazemos com paixão está relacionado com a nossa missão de vida, com o propósito da nossa vida. Mas quando sonhamos, devemos fazê-lo com a cabeça nas nuvens e os pés na terra. Ambos são necessários e estão interligados. E nos dias que correm, os pés têm que estar cada vez mais assentes na terra, ou acabamos levantando voo e sendo levados por ventos que desconhecemos.

Mas não adianta vocês seguirem uma paixão se depois passarem necessidades, ou pior ainda, se a vossa família (actual ou futura) passar necessidades devido à vossa decisão Mais importante é terem uma profissão que vos dê um rendimento razoável o suficiente (e não menos que isso) para sustentarem a vossa família com relativa facilidade e aos vossos muitos sonhos. Quantos profissionais conhecem, directa ou indirectamente, que fizeram nome nas suas profissões e que se dedicam nos seus tempos livres a hobbies que os apaixonam? Primeiro ganharam relativa segurança profissional e económica e assim criaram as condições essenciais para se dedicarem aos seus outros sonhos e talentos, como pintar, cantar, tocar um instrumento, ,etc. e viverem-nos nos seus tempos livres.

De que adianta estudarem 3, 5 ou mais anos e chegar ao fim e constatarem que, por mais esforços que façam, não conseguem trabalho na área que gostam e pela qual queimaram as pestanas durante tanto tempo? Ou então que o trabalho que conseguem, mesmo que seja na vossa área, dá-vos um rendimento de apenas 500 ou 600€ e que não dá para serem independentes quanto mais em pensarem em criar a vossa própria família?
Conheci uma moça que tirou o curso de arquitectura. Estava desejosa de começar a trabalhar na sua área e lutou por isso. Mas parece que a arquitectura (como Psicologia e muitas outras) está lotada e, quando finalmente encontrou trabalho na sua área, quiseram pagar-lhe 500€ mensais, a tempo inteiro! Claro que não é justo!

Vejam outro exemplo mais próximo. Olhem para a vida que os vossos pais levam. Vejam quantos sacrifícios eles fazem para vos dar tudo o que vocês precisam. Alguns fazem-no mais facilmente, mas muitos deles fazem imensos sacrifícios e ainda assim verificam que não é o suficiente para vos dar as oportunidades que gostariam que vocês recebessem. Alguns não conseguem dar-vos nem o básico. Ponham-se no lugar deles: imaginem como eles se sentem. Provavelmente também eles tiveram poucas oportunidades, e dessas, se calhar aproveitaram ainda menos por falta de visão, de sabedoria, de conhecimento da vida.
È assim o Ciclo da Pobreza se perpetua por muitas gerações. Mas não tem de ser assim. Vocês, jovens de hoje, ainda vão a tempo de fazer algo de muito positivo, de tomarem as decisões que podem mudar as vossas vidas e quebrar esse Ciclo. Tem tudo a ver com as decisões que tomam agora.

Imaginem o portão de uma grande cerca. Visualizem-no: no lado da dobradiça parece que o grau de abertura do portão é pequena, insignificante. Mas quando olhamos para o lado oposto da cerca, reparamos que a abertura foi muito significativa. Assim são as (aparentemente) pequenas decisões da vossa vida. O que parece ser um pequeno erro ou uma acção sem grande significado, pode trazer consequências dramáticas para a vossa vida, transformando-a num turbilhão de consequências imprevisíveis.


Altura de escolhas decisivas
Como eu disse, é nesta altura que vocês jovens têm de escolher uma área com que mais se identificam nos estudos e que irá dar acesso ao curso que um dia escolherão. Se é verdade que alguns têm perfeito conhecimento do que pretendem exercer na vossa actividade profissional, muitos há que ainda estão indecisos e outros então não fazem a mínima ideia do que hão-de escolher.

Para além da escolha da área, que é muito importante, vocês devem ainda ponderar se querem:
- seguir a via de ensino, que vos proporciona o 12º ano e o acesso à faculdade.
- seguir um curso técnico-profissional, que vos permite, para além da equivalência ao 12º ano e do acesso à faculdade, frequentarem e concluírem um curso técnico – profissional.

Esta 2ª opção acaba por ter mais vantagens na medida em que vocês aprendem uma profissão ainda antes de entrarem na faculdade, o que vos permite estarem mais preparados caso tenham de enfrentar desafios económicos e terem de arranjar um part-time, por exemplo. Por outro lado, através das disciplinas e do contacto profissional pelos estágios, vocês podem perceber se realmente querem seguir essa área ou se será melhor escolherem outra. Conheci uma moça que dizia que queria ser Educadora de Infância porque gostava muito de crianças. No 10º ano seguiu um curso técnico profissional relacionado com crianças e que a ajudou a perceber que se calhar não tinha assim tanta aptidão e gosto pela profissão como ela pensava inicialmente.

Assim, com todo o respeito pelos vossos ideais profissionais e ainda mais por aqueles que se sentem vocacionados por determinada área, deixo aqui algumas sugestões que devem considerar entre as que já estão a ponderar:
  • Engenharia – a engenharia tem muitos ramos, e todas têm saída profissional. É uma área em ascenção e que muitas pessoas evitam ir para ela só porque tem matemática.
  • Saúde – para além de medicina e enfermagem, a saúde tem um sem numero de cursos técnicos. Apesar de este sector já não ser o mesmo, a saúde é uma área onde sempre irão precisar de profissionais.
  • Tecnologias de Informação, desde as mais às menos complexas, esta é uma área que está também em ascenção.
  • Contabilidade e Finanças – muito procurado hoje em dia. Se pegarmos num jornal verificamos que grande parte dos pedidos de emprego são nestas áreas.
  • Qualquer outra área que esteja em ascenção e que ainda existam poucos profissionais

Por mim, hoje em dia optaria por estudar seriamente investimentos financeiros e tudo relacionado com saber ganhar e saber poupar dinheiro (e acima de tudo saber gastá-lo), que é o que tanta falta faz à nossa sociedade nos nossos dias. Mas por outro lado, ainda vou a tempo… ; )

Como lá chegarem?
Mas então o que vocês podem fazer para tomarem decisões mais conscientes e com as quais sintam que estão a contribuir para assegurar um futuro melhor para vocês?

1. Decidam onde querem chegar.
- O que querem para a vossa vida daqui a 8 ou 10 anos (se contarmos 3 anos para terminarem o 12º, 3 a 5 anos para a conclusão da Licenciatura e os primeiros anos de inicio de carreira)?
- Que profissão querem estar a exercer?
- Que etapa da vossa carreira querem ter atingido?
- Quanto querem estar a ganhar mensalmente?
- Quanto pensam que será suficiente para que vocês e a vossa família vivam confortavelmente e plenos de recursos e oportunidades?
- A profissão que escolheram seguir pode proporcionar-vos tudo isso?
- De que maneira?

Para responder a estas perguntas e a outras que possam surgir, vocês jovens devem estar bem informados acerca da profissão que querem seguir, ponderar séria e conscientemente acerca delas e responder sem exageros.

2. Estabeleçam metas precisas e objectivas para a vossa vida nos próximos 10 anos. Para estabelecerem estas metas precisas e objectivas, vocês deverão ter plena certeza delas em vossa mente e em vosso coração. Não pode haver duvidas. Não podem pensar “pode ser que consiga”, ou “vou tentar isto”, ou “não sei, se calhar…”, ou “provavelmente”, etc.

3. Para terem plena certeza em vosso coração do caminho a seguir, vocês devem passar por um processo de reflexão e ponderação.

  • Para aqueles que acreditam em Deus, devem inclusive orar (sim, isso mesmo, orar! Experimentem!).
    A oração fervorosa e sincera ajuda as pessoas a entrarem em contacto com o seu interior, com o que têm de mais intimo e sublime do seu ser – o seu espírito. E nosso espírito normalmente é mais sábio do que a nossa mente consciente.
    Ao mesmo tempo, acontecem coisas interessantes na oração: de cada vez que a pessoa faz uma oração (que deve ser diária), com fé, a pessoa volta a focar-se no seu objectivo, põe nele intenção, ao mesmo tempo que suas esperanças são renovadas e as tristezas são confortadas.
  • Para quem não acredita em Deus, então medite. A meditação quando feita assídua e correctamente, tem um efeito parecido ao da oração – ajuda-nos a entrar em contacto como nosso Ser mais profundo e a reconhecer opções que de outra maneira não reconheceríamos.

Depois de orar e/ou de meditar, durante algum tempo, como se sente? Sente ainda com mais certeza o caminho que escolheu? Se sim, força. Esse é com certeza o seu caminho.
Se não , o que mudou? Que decisões precisam ser alteradas para se sentir bem consigo mesmo?

4. Façam a vossa parte
Tenham sempre o vosso objectivo em mente (onde quer chegar). É o vosso foco. Baseiem as vossas decisões nele. Vivam-no, sintam-no, respirem-no, como se já o tivessem alcançado.
Façam um plano preciso. Se vocês vão fazer uma longa viagem têm de a planear, certo? Então esta é uma longa viagem e todos os pormenores contam para o resultado final, que é onde vocês querem chegar.
i. Em que empresa vocês querem trabalhar exercendo a vossa profissão?
Qualquer empresa ou uma de prestigio?
Se é alguma específica, o que essa empresa valoriza nos seus empregados?
Com que média eles terminaram os seus cursos?
Que experiência eles precisaram já ter para trabalharem nessa empresa?
Que outros valores, competências, experiência e aptidões, os seus empregados devem ter e que são importantes para a empresa?
ii. Para vocês terminarem o vosso curso com média de X, (14, 16 ou mais) que notas precisam de ter em cada cadeira da universidade? Quantas horas vocês precisam de estudar por dia/semana?
iii. Para terem experiência de trabalho quando terminarem o curso (que se pede cada vez mais), que estágios, part-times ou trabalhos de verão vocês podem fazer e que vos valorize profissionalmente?
iv. Para entrar no curso que pretendem, que média precisam?
v. Para terem essa média para entrar na universidade e no curso que pretendem (a escolha da universidade também é importante), que notas mínimas precisam de ter em cada disciplina do liceu?

Lembrem-se que os que terminam o curso (qualquer curso, superior ou não) com notas excelentes, têm mais probabilidades de conseguirem chegar onde querem e de conseguirem um bom emprego, do que os outros. A não ser é claro, que tenham algum factor C (Cunha), que não é o caso da maioria de vocês.
Por isso não tenham medo de estudar. Estudem e estudem muito. Estudar agora é a vossa profissão mesmo. Este é o tempo para vocês se prepararem. Não é na hora dos exames ou na hora das entrevistas. Aí não haverá tempo. É agora que começa a vossa preparação. Uma casa não se faz toda de uma vez, mas tijolo a tijolo.
Deixem-me dar-vos um exemplo próximo: quando surgiram os primeiros cursos financiados de informática (há mais de 15 anos), o meu irmão frequentou um. Quando se inscreveu, ele não sabia, mas os que tivessem melhores notas teriam emprego garantido. Ele foi um deles. Foi chamado para a PT e passado três meses ficou efectivo. Da PT passou para a TMN. Está lá desde então e bem colocado. Estava pronto quando a oportunidade apareceu.

5. Para alem de trabalharem para ter notas excelentes, façam tudo o que estiver ao vosso alcance para estarem em vantagem quando terminarem o vosso curso:

  • Arranjem empregos de verão, part-times, estágios, trabalhos voluntários relacionados com a profissão que querem exercer;
  • Façam algo que vos destaque: façam um intercâmbio escolar, vão trabalhar para um outro país (onde aperfeiçoam também uma língua estrangeira, alargam os horizontes e conhecem outra perspectivas e experiências diferentes da realidade portuguesa)
  • Falem com pessoas que trabalhem na área, entrevistem-nas, façam-lhes perguntas… muuuitas perguntas.

6. Disponham-se a pagar o preço. Isso significa que você decide agora que, aconteça o que acontecer, por mais difícil que seja, passo a passo, você vai chegar onde quer DE CERTEZA!
Lembre-se que todas as coisas que valem a pena nesta vida, temos de lutar por elas. Se não lutamos por elas, se não fizermos a nossa parte, das duas uma: ou não vale a pena ou não a merecemos.

7. Também em oração / meditação, procurem orientação ao longo do vosso caminho profissional que agora iniciam (sim, porque a vida profissional começa muito antes de iniciarmos numa empresa. Começa com as nossas primeiras escolhas académicas e profissionais).
Lembrem-se de fazer da oração e/ou meditação (e/ou outro método) uma maneira constante para se conectarem com o vosso interior, o vosso Ser mais intimo. O importante é fazer todos os dias, mesmo que seja só 5 minutos (em lugar reservado, sossegado e silencioso, ou não funciona!)

Fazer o “impossível”
Se eu vos perguntasse: “Como é que come uma baleia inteira?”. o que vocês responderiam?
A grande maioria, tenho a certeza, dirá: “Uma baleia inteira? É impossível”. Mas é possível, sim. Não perguntei como se como uma baleia toda de uma vez. Perguntei apenas como se come uma baleia toda. É simples: pedacinho por pedacinho; um bocadinho de cada vez… mesmo que leve uma vida inteira. É possível. Esse é o princípio.
É o mesmo com o vosso objectivo. Tenham-no sempre em mente, mas preocupem-se com um passo de cada vez: um teste de cada vez, um exame de cada vez, um trabalho de cada vez, um estágio de cada vez, etc.

Somos Nota 20!
Acredito firmemente que quando nascemos já trazemos uma “nota” na nossa vida. Ou seja, já temos um valor. Na verdade, todos temos a mesma nota: não porque todos temos de ser iguais e portanto cada um de nós tem apenas um bocadinho da nota, mas porque
Todos nós somos igualmente de grande valor. A nossa note é 20 Valores!

Nós Somos 20 Valores!

Vocês já nasceram a merecer, a valer essa nota. Tendes toda a inteligência, a capacidade, os talentos, os dons, a vossa individualidade, o carácter e a personalidade, para serdes Nota 20 em tudo o que fazeis (inclusive na escola).
Então porque não acreditais em vós? Porque preferem acreditar naqueles que só vos puxam para baixo e vos dizem que é melhor desistirem porque nunca vão ser ninguém?
Vivam á altura do vosso valor! Já têm a nota, agora têm apenas de viver a vossa vida de modo a manter esses 20 valores; de fazer todos os possíveis, todos os vossos esforços (pagar o preço), para viverem a vossa vida de acordo com o vosso real valor. Cada acção/decisão que fizerem nesta vida, correcta ou incorrecta, tem a respectiva consequência. Uma acção/decisão correcta, traz uma consequência que vos agrada e eleva. Uma acção/decisão incorrecta traz uma consequência desagradável e muitas vezes dolorosa e permanente e que vos deita ainda mais abaixo. É a chamada Lei da Causa e Efeito.
Se fizerdes a vossa parte, se derem o vosso melhor para vos mantermos nos 20 valores, então as consequências que desejam virão.
Se não fizerdes a vossa parte, se não derdes o vosso melhor, também haverá consequências. Mas o mais provável é não serem aquelas que vocês querem.
Atenção que eu não disse “se conseguirem manter os vossos 20 valores”, eu disse “se fizerem a vossa parte, se derem o vosso melhor”. Isso significa que no final, depois de todos os vossos esforços, podem conseguir ter as notas excelentes, ou não; conseguir o que desejam ou não.
A diferença está aqui: se tiverem sempre o vosso objectivo em mente e depois de fazerem o vosso melhor (mesmo que não seja o suficiente para conseguirem o que desejam), mesmo quando parece tudo perdido… portas se abrirão e caminhos se revelarão para que vocês consigam alcança o vosso objectivo ou outro ainda melhor. Tenho visto isso acontecer inúmeras vezes. Por outras palavras… às vezes Deus escreve certo por linhas tortas.


“Que Sorte!”
Lembro-me que quando recomecei a estudar (interrompi 5 anos), foi muito difícil para mim: não exercitava a mente havia 5 anos, parecia que os meus colegas falavam uma linguagem estranha que eu não compreendia (a linguagem da Psicologia), não conseguia compreender ou memorizar o que lia e, como consequência, as primeiras três frequências no final do primeiro semestre, tive nota negativa. Senti-me cansada e deprimida. Mas pior foi o sentir-me estúpida – literalmente! Perguntei-me se conseguiria, se valia a pena estar a sacrificar-me e aos meus filhos para nada. Depois de muito pensar, tomei uma decisão. E a coloquei em oração. Resolvi que se continuasse a tirar negativas, era sinal de que não valia a pena continuar e desistiria do curso.
Quando fui saber a nota da 4ª frequência, já ia preparada para mais uma nega. Quando a senhora da secretaria me disse a nota, pareceu-me não ter entendido e pedi para ela repetir: “Quatorze!” disse ela. Comecei a rir e parecia uma tolinha. Foi a palavra que me deixou mais feliz nos últimos tempos. Saí da universidade a flutuar de tanta alegria. Claro que a partir daí as coisas começaram a melhorar.
E então aconteceu uma coisa curiosa: as pessoas à minha volta tiveram várias reacções:

  • Houve os que realmente se sentiram felizes com os meus sucessos, e por essas e por todas as que me apoiaram, eu estou muito e eternamente grata;
  • Houve os que ficaram insatisfeitos, roídos por visíveis sentimentos negativos, mas que não fizeram nada para melhorar as suas vidas;
  • E finalmente houve os que ficaram espantados e fizeram comentários do género: “Que sorte!” ou “Tens tanta sorte!”, mas também não estavam a dispostos a pagar o preço para mudar as suas vidas.

Estas pessoas viam as minhas (pequenas grandes) vitórias e diziam “Que Sorte!”. O que elas chamavam de sorte foi o resultado de um sacrifício contínuo durante 5 anos, em que me levantava às 6 horas da manhã, saía às 7h com um bebé e uma crianças pequena, trabalhava a tempo inteiro, ia para a faculdade depois do trabalho (em que não assistia a metade das aulas por não conseguir em termos de horário), chegava a casa exausta, às 20/21h, e ainda tinha de tratar das duas crianças pequenas e “exigentes” de atenção e da casa, sozinha.
SORTE?!? Eu paguei o preço! Os meus filhos pagaram o preço! E até outras pessoas que pouco ou nada tinham a ver comigo, pagaram o preço ao me apoiarem (de muitas maneiras) para que eu conseguisse finalizar o curso!
Houve muitos momentos em que desesperei, em que chorei, em que os joelhos foram ao chão. Mas que podia fazer? Não podia voltar atrás. Não podia desistir, nem por mim, nem pelos meus filhos.
Hoje reconheço que tinha uma frase continuamente na minha mente, que me ajudou nos momentos mais difíceis. Dizia “O caminho é em frente. O caminho é em frente”. Bendita frase.

Porque é que eu vos conto isto? Para vos dizer o seguinte:

SORTE = PREPARAÇÃO + OPORTUNIDADE

Ou seja,
A SORTE é o encontro da PREPARAÇÃO com a OPORTUNIDADE.

Todas as pessoas que conseguiram grandes feitos nas suas vidas e até na sociedade, prepararam-se. Mesmo quando lhes diziam para desistir ou quando tudo à sua volta lhes dizia que não havia qualquer possibilidade de conseguirem alcançar os seus objectivos. E nunca desistirem, apesar dos inúmeros obstáculos. Assim foi com Beethoven, Abraham Lincoln, ou outros. Pesquisem as biografias dos grandes homens e mulheres que já existiram e verão o que uma só pessoa pode fazer para melhorar o mundo.
Eles estavam preparados quando as oportunidades surgiram. Prepararam-se ao longo do caminho.
Se não estivermos preparados quando a oportunidade surge (e não sabemos quando ela surge, mas surge), ela não nos reconhece e vai ter com outra pessoa.
Lembram-se do meu irmão? Teve ou não teve uma grande sorte? Claro que teve; quando a oportunidade surgiu ele estava preparado! Grande sorte! É assim mesmo!

Maria João Fernandes
Especialista de Emprego da Estaca de Oeiras
Psicóloga do Trabalho e das Organizações
Orientação Pessoal e profissional